sexta-feira, abril 20, 2007

A FRAGA DE S. JOÃO

Desta vez, deixo-vos o retrato feito pelo impulsionador destas nossas caminhadas ao Gerês:

"Em certas ocasiões parecemos poucos e demasiado pequenos, face à dimensão das coisas, mas com o passar do tempo, acabamos por nos integrar na paisagem e sem adquirirmos a sua grandiosidade, diluímo-nos no seu interior como se lá sempre tivessemos vivido. Este Sábado também foi assim e tal foi a nossa integração que os gestos, de tão habituais, pareciam normais e de certezas adquiridas. A promessa era viajar a um ponto que nos aproximasse da voz de Deus sem perder de vista a terra e às dez da manhã, num recanto da aldeia, ali estava aquele ponto branco, brilhante, distinguindo-se do castanho acizentado da penedia em claro desafio às vontades humanas. No que sempre pareceu um dos pontos mais elevados, sobranceira, altiva, dirigindo um convite a quem contemplava o ponto minúsculo do horizonte. Tudo estava calmo, a tranquilidade acompanhava-nos por todo o lado, verde bastante pelos terrenos de pasto e uma Primavera tardia trazia ainda as árvores despidas, pintando as encostas apenas de tapetes violeta de florestação rasteira. A água arrastava-se com preguiça pelos regatos em direcção ao ribeiro maior como quem tem tempo para chegar, o sol brilhava branco e puro no interior de um céu azul. O caminho iria ser íngreme como se adivinhava, mas haveríamos de chegar como noutras viagens e noutras aventuras. E chegamos, que a vontade era essa, apesar de nos últimos trinta minutos a penedia se inclinar abruptamente até terminar numa escadaria imitando de forma ligeira os altares Maias. Mas o nosso altar era também magnífico no alto da fraga. Ao erguermos o corpo num último empenho, e alcançarmos aquela pequena plantaforma, percebemos a grandiosidade das coisas, a beleza da vida e como tudo é pouco e enorme ao mesmo tempo. Ali, chegaram os Homens através dos santos, mensageiros e mediadores do caminho para Deus. Este, era o S. João, o Envagelista ao que nos disseram e, tal é a vontade humana em trepar até aos céus, aproximar-se o mais que puder da pureza que respira do azul celeste, que escolhem o caminho agreste da montanha e o seu pico mais alto para que, entre o infinito e a terra não existam obstáculos. Ali, assim foi, sem dúvida, em época imemorial, tão longínqua que os Homens já esqueceram e até ao santo atribuem a construção do que, eles próprios, realizaram. Durante largos minutos, rodamos sobre nós próprios, encantados com a possibilidade de desfrutar de paisagem tão bela, de descobrir caminhos, de imaginar aventuras, de soltar os sonhos em galope eterno. Quem quis escutou a voz mágica que apelava aos crentes a orar, ou quem se deixou seduzir ao espreitar o interior daquela capela em pedra, pôde ouvir ainda os cânticos de monges que ao amanhecer ou nas vésperas, cativam quem está para além deles e sobre eles. Por mim, ouvi, distinto, pleno de beleza, esse cântico que, ao longe, as águas da cascata traziam do interior do mosteiro com o enriquecimento dos séculos e do sossego medieval. A descida foi calma, lenta e pousada e no ponto mais baixo, olhando de novo as alturas, voltamos a perceber como a terra e os Homens se podem elevar a destinos incomensuráveis quando o desejo impele a vontade, mesmo que seja para seduzir quem parece superior, eterno e perene."

Alcino Silva


O OBJECTIVO

O ALCANÇAR DO OBJECTIVO
(a 1100 metros de altitude)


14 comentários:

Moura ao Luar disse...

Uau paisagens lindíssimas.. que sorte :-)

ROADRUNNER disse...

Não sei quem é o Alcino Silva, mas que estava inspirado estava! Até me emocionei com tão bela descrição...chui, chuif...
Saudações!

António Melenas disse...

Muito bucólica além de mpolgante a cminhada até à fraga de São João. O homem tem sempre por objectivo chegar ao cimo e pobre de quem não tem esse objectivo. Em muitas terras há sempre uma fraga lá bem no alto que todos fazem questão de até elas trepar. Na mimha é a Fraga da Masseira, porque parece uma masseira de amassar o pão e tem sempre água no fundo´.
Obrigado pelos seus cuidados pela minha saúde, que vai melhorando aos poucos
beijinho

laida disse...

Que belas paisagens, e eu tão perto e tão longe...Vale o esforço pela beleza da natureza que enche os olhos de quêm lá vai.
beijos

Anónimo disse...

Olá Lurdes! Só para dar um olá e dizer que passei por aqui para pôr a leitura em dia.
Bjs
Alice

sofialisboa disse...

que imagens lindas de ver, quase que cheirei e senti o ar limpinho de puro. sofialisboa

Alexia disse...

O texto que li revela uma pessoa extraordinária...deve ser muito bom fazer este desafio com ele....

Bravo

beijocas grandes

Dina C disse...

O Senhor Alcino Silva é mesmo um escritor de se lhe tirar o chapéu!!!

Até consigo imaginar o sossego do topo da montanha.
Bjs

Dina C disse...

Obrigada pelos parabés, tens uma resposta lá no S. Simples.

Gioconda disse...

E que belo retrato o Sr. Alcino fez... quase me senti lá no meio da encosta e dos tapetes violeta da florestação rasteira.... lindo.
O aroma de alecrim e rosmaninho chegou por breves instantes a passar pelo meu nariz...


Em relação as curiosidades, pois.... já está com um tamanho decente ;)

Lurdes disse...

Ora bem, o Alcino está ali muito bem retratado junto ao texto dele. E sim, eu também acho que ele escreve muito bem! Aqui está a prova, neste texto cheio de sentimentos que ele nos proporciona sentir também.
Quando li o texto pela primeira vez, tive logo vontade que outras pessoas, para além do nosso grupo, também o lê-se. "O texto é nosso", disse o Alcino. Um querido, diria eu! E foi assim que decidi publicá-lo.
Já fazemos estas caminhadas vai para 4 anos e o núcleo duro mantem-se. E cada uma é uma nova aventura que o Alcino, o conhecedor da serra, nos proporciona!

eumesma disse...

Com um texto destes, até quem não gosta de caminhadas ( o que deve ser dificil num cenário como magnifico como é o Gerês) passa a gostar...:-)

É um verdadeiro convite...

Bjs

P.S. Gostei mto de te conhecer!!;-)

CarpeDiemBeHappy disse...

Que saudades! São estes momentos que me alegram e enchem a alma!!

Nunca é demais dizer que o Alcino é um escritor e uma pessoa 5*****!!

Beijinhos

Lurdes disse...

Não queres vir na próxima, Eumesma?!?!

Também a mim, Carpe, também a mim...

Beijinhos